WeCreativez WhatsApp Support
Olá! Tem alguma pergunta? Contacte-me pelo whatsapp e responderei o mais breve possível.
Olá! Tem alguma pergunta?

A Teoria da Aprendizagem Social (TAS)

Apesar de que algumas teorias  psicológicas que pretendem dar resposta a como aparecem e por que se mantêm os processos de exclusão ou inadaptação social, possam ser mais interessantes do que outras –  e algumas possam até ser rejeitáveis –, todas as teorias devem ser ponderadas para uma adequada compreensão do fenómeno multifatorial e, ao mesmo tempo, ultrapassar as teorias mas economicistas que primam a pobreza como causa de exclusão.

Algumas das teorias psicológicas mais reconhecidas para explicar a exclusão social são a Teoria da Aprendizagem social e as derivadas da perspetiva funcionalista, a perspetiva interpretativa e a perspetiva social.

Teoria da Aprendizagem Social

Desenvolvida pelo psicólogo Albert Bandura, a teoria da aprendizagem social afirm que a aprendizagem é um processo cognitivo que tem lugar contexto social e que se verifica, principalmente, através do reforço, da observação ou da instrução direta, inclusive na ausência de reprodução motora ou reforço direto.

Segundo esta teoria, os comportamentos sociais – tanto a adequada socialização, como os desvios em relação à mesma – são comportamentos aprendidos, afirmando-se que o mecanismo de aprendizagem por observação ajuda à aquisição do comportamento social e o reforço constitui um elemento importante para manter o comportamento aprendido.

Para tentar demonstrar a sua teoria em relação a comportamentos como a violência ou a agressividade, em 1961, Bandura, realizou conhecida Experiência Bobo Doll, com o objetivo de demonstrar que os padrões agressivos se produzem desde a infância devido à imitação realizada pelas crianças daquilo que os seus modelos fazem (os seus pais, irmãos, colegas, professores, meios de comunicação).

Para a sua experiência utilizou o boneco Bobo, o qual era um boneco com cara de palhaço e cheio de ar que recuperava a posição vertical ao ser agredido.

A experiência foi feita com um grupo de crianças em idade pré-escolar, o qual dividiu em 3 subgrupos. O primeiro viu um adulto agredir o boneco, o segundo viu o adulto sem agredir o boneco e brincando com outras coisas, e o terceiro não viu nada, servindo de grupo de controlo. Resumimos a experiência:

Hipóteses de Bandura:

As crianças que tivessem visto as agressões, atacariam o boneco; as que veriam jogos pacíficos não o atacariam e até seriam mais pacíficas do que o grupo de controlo (nesta última não acertou, pois ambos os grupos foram igualmente pacíficos). Também pensou que os rapazes iam ser mais violentos do que as raparigas e que o sexo do adulto ia provocar que fossem as crianças do mesmo sexo a copiar o seu comportamento.

Resultados:

Acertou em quase tudo. Os que viram o modelo agressivo, imitaram-no, tanto verbal, como fisicamente, sendo as agressões verbais as mais copiadas. Isto é, se os adultos utilizam insultos e humilhações, as crianças vão também utilizá-los com outros. O mesmo se verifica com a violência, a qual as crianças copiam e reproduzem. Também se comprovou que as crianças copiaram os adultos do mesmo sexo que o seu em maior proporção e que, em geral, os comportamentos agressivos e violentos eram mais comuns nos rapazes do que nas raparigas.

Veja aqui um vídeo ilustrativo desta experiência: https://www.youtube.com/watch?v=rinZ5fKjbfo

Apesar de que esta teoria nos ajuda a compreender como muitos comportamentos socialmente inadaptados são aprendidos: por exemplo, se os adultos utilizam entre eles insultos e humilhações verbais, as crianças vão atuar da mesma maneira com outras crianças, tal como se as crianças são expostas a situações de violência, tenderão a reproduzir esses comportamentos, esta teoria é suscetível das seguintes críticas:

  • dificuldade para explicar as mudanças que se podem verificar ao longo da socialização,
  • dificuldade para explicar por que motivo algumas pessoas podem resistir às influências da aprendizagem e outras não.
  • não se têm em conta a influência da marginalização ou outras variáveis relacionadas nos comportamentos inadaptados.

También puede interesarte…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Menu

Compartir esto con un amigo