WeCreativez WhatsApp Support
Olá! Tem alguma pergunta? Contacte-me pelo whatsapp e responderei o mais breve possível.
Olá! Tem alguma pergunta?

6 preconceitos (a erradicar) sobre as pessoas com deficiência

Tal como fazemos com todas as realidades que nos rodeiam, também “criamos” grupos de pessoas, atribuímos-lhes etiquetas uniformes e acabamos por aceitar e pensar que cada pessoa pertence a um grupo ou a uma categoria.

Um dos desses grupos é o dos “deficientes” e, mesmo que não saibamos nada sobre a pessoa, se a reconhecemos como integrante desse grupo, aplicamos-lhe o conhecimento prévio que temos sobre tal grupo.

O problema surge quando as características que atribuímos a determinados grupos sociais não são reais nem positivas e se transformam em preconceitos.

Os preconceitos, além de implicarem barreiras sociais, traduzem-se em barreiras pessoais, uma vez que os próprios indivíduos destes grupos assumem como verdades estas falsas crenças que lhes foram atribuídas, acabando por se autolimitar, tanto no seu desenvolvimento, como na sua participação social.

O primeiro passo para se desfazer dos preconceitos é conhecê-los, para depois os racionalizar e, finalmente, os desmontar.

É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito”. Albert Einstein

Alguns dos preconceitos mais frequentes que continuam a afetar a inclusão de pessoas com deficiência são:

1) As pessoas com deficiência estão doentes

Uma deficiência não é uma doença. Ainda que nalguns casos possam ter padecido algumas doenças que lhes provocaram a deficiência, esta é uma condição, não significando que estão doentes ou que se tenham de curar de alguma coisa.

2) As pessoas com deficiência vão ser sempre como crianças, não podem ser independentes.

A infantilização é um dos estereótipos mais comum sobre as pessoas com deficiência. Pensar que as pessoas com deficiência são como crianças implica um paternalismo e uma superproteção que dificulta que as pessoas com deficiência possam realizar uma vida independente, autónoma e produtiva.

3) As pessoas com deficiência representam um segmento muito pequeno da população

Segundo vários estudos, em Portugal há cerca de 1.800.000 pessoas com, pelo menos uma incapacidade ou deficiência. Ao problema das incapacidades ou deficiências invisíveis, une-se que a presença de pessoas deficientes nos meios de comunicação é escassa, ao que acresce o facto de que o tratamento que recebem ainda é acompanhado de muitos preconceitos.

4) As pessoas com deficiência são assexuais e não podem ter relações sexuais.

As pessoas com deficiência são seres humanos e, portanto, têm sexualidade, uma vez que esta constitui uma necessidade biológica. Além do mais, as pessoas com deficiência podem sentir amor, expressar a sua sexualidade e, obviamente, ter relações sexuais se o desejarem. Não existem limitações pré-estabelecidas. Também é óbvio que nem todos os corpos funcionam da mesma forma, mas isso não depende de se ter deficiência ou não.

5) As pessoas com deficiência desejam que esta desapareça. Não podem ser felizes.

As pessoas com deficiência são, acima de tudo, pessoas, sendo a deficiência uma característica como outra qualquer, o que não as define: reduzi-las à sua deficiência é despojá-las de valores, conhecimentos e experiências. Tal como qualquer pessoa, o que desejam é sentir-se apreciados, incluídos e reconhecidos.

6) As pessoas com deficiência têm menor rendimento escolar e profissional.

A deficiência é uma falta ou limitação física ou mental que impede ou dificulta o desenvolvimento normal da atividade de uma pessoa, mas a deficiência ou incapacidade não implica que a pessoa que a tem não possa chegar a realizar as mesmas atividades. Sempre e quando se garanta que as necessidades destas pessoas serão atendidas, não haverá nenhum problema para que a pessoa com deficiência possa desenvolver todo o seu potencial pessoal ou profissional.

También puede interesarte…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Fill out this field
Fill out this field
Por favor insira um endereço de email válido.
You need to agree with the terms to proceed

Menu

Compartir esto con un amigo